Domingo, 11 de Março de 2007

...

 Uma breve leitura da "Fada Oriana"...

        

                   As fadas boas regam as flores com orvalho, acendem o lume dos velhos, seguram pelo bibe as crianças que vão cair ao rio, encantam os jardins, dançam no ar, inventam sonhos, e à noite põem moedas de oiro dentro dos sapatos dos pobres. As fadas más fazem secar as fontes, apagam a fogueira dos pastores, rasgam a roupa que está ao sol a secar, desencantam os jardins, arreliam as crianças, atormentam os animais e roubam dinheiro aos pobres. Quando uma fada boa vê uma árvore morta, com os ramos secos e sem folhas toca-lhe com a sua varinha de condão e no mesmo instante a árvore cobre-se de folhas, de flores, de frutos e de pássaros a cantar. Quando uma fada má vê uma árvore cheia de folhas, de flores e de pássaros a cantar, toca-lhe com a sua varinha mágica do mau fado e no mesmo instante um vento gelado arranca as folhas, os frutos apodrecem, as flores murcham e os pássaros caem mortos no chão.

                   Era uma vez uma fada chamada Oriana. Era uma fada boa e era muito bonita. Vivia livre, alegre e feliz dançando nos campos, nos montes, nos bosques, nos jardins e nas praias. Um dia a Rainha das Fadas chamou-a e disse-lhe: - Oriana, vem comigo. E voaram as duas por cima de planícies, lagos e montanhas. Até que chegaram a um país onde havia uma grande floresta. - Oriana – disse a Rainha das Fadas – entrego-te esta floresta. Todos os homens, animais e plantas que aqui vivem, de hoje em diante ficam à tua guarda. Tu és a fada desta floresta. Promete-me que nunca a hás-de abandonar. Oriana disse: - Prometo. E daí em diante Oriana ficou a morar na floresta. De noite dormia dentro do tronco dum carvalho. De manhã acordava muito cedo, acordava ainda antes das flores e dos pássaros. O seu relógio era o primeiro raio de Sol. Porque tinha muito que fazer. Na floresta todas precisavam dela. Era ela que prevenia os coelhos e os veados da chegada dos caçadores. Era ela que tomava conta dos onze filhos do moleiro. Era ela que libertava os pássaros que tinham nas ratoeiras. À noite, quando todos dormiam, Oriana ia para os prados dançar com as outras fadas. Ou então voava sozinha por cima da floresta e, abrindo as suas asas, ficava parada, suspensa no ar entra a terra e o céu. À roda da floresta haviam campos e montanhas adormecidas e cheios de silêncio. Ao longe viam-se as luzes de uma cidade debruçada sobre o rio. De dia e vista de perto a cidade era escura, feia e triste. Mas à noite a cidade brilhava cheia de luzes verdes, roxas, amarelas, azuis, vermelhas e lilases, como se nela houvesse uma festa. Parecia feitas de opalas, de rubis, de brilhantes, de esmeraldas e safiras.

                                                ...

          O Peixe Cá fora a tarde estava maravilhosa e fresca. A brisa dançava com as ervas dos campos. Ouviam-se pássaros a cantar. O ar parecia cheio de poeira de oiro. Oriana foi pela floresta fora, correndo, dançando e voando, até chegar ao pé do rio. Era um rio pequenino e transparente, quase um regato; nas suas margens cresciam trevos, papoilas e margaridas. Oriana sentou-se entre as ervas e as flores a ver correr a água. De repente ouviu uma voz que a chamava: - Oriana, Oriana. A fada voltou-se e viu um peixe a saltar na areia. - Salva-me, Oriana - gritava o peixe. - Dei um salto atrás de uma mosca e caí fora do rio. Oriana agarrou no peixe e tornou a pô-lo na água. - Obrigado, muito obrigado - disse o peixe, fazendo muitas mesuras. - Salvaste-me a vida e a vida de um peixe é uma vida deliciosa. Muito obrigado, Oriana. Se precisares de alguma coisa de mim lembra-te que eu estou sempre às tuas ordens. - Obrigado - disse Oriana - agora não preciso de nada. - Mas lembra-te da minha promessa. Nunca esquecerei que te devo a vida. Pede-me tudo o que quiseres. Sem ti eu morreria miseravelmente asfixiado entre os trevos e as margaridas. A minha gratidão é eterna. - Obrigado - disse a fada. - Boa tarde, Oriana. Agora tenho de ir embora, mas quando quiseres vem ao rio e chama por mim. E com muitas mesuras o peixe despediu-se da fada. Oriana ficou a olhar para o peixe, muito divertida porque era um peixe muito pequenino, mas com um ar muito importante. E quando assim estava a olhar para o peixe viu a sua cara reflectida na água. O reflexo subiu do do fundo do regato e veio ao seu encontro com um sorriso na boca encarnada. E Oriana viu os seus olhos azuis como safiras, os seus cabelos loiros como as searas, a sua pele branca como lírios e as suas asas cor do ar, claras e brilhantes. - Mas que bonita que eu sou - disse ela. Sou linda. Nunca tinha pensado nisto. Nunca me tinha lembrado de me ver! Que grandes são os meus olhos, que fino que é o meu nariz, que doirados que são os meus cabelos! Os meus olhos brilham como estrelas azuis, o meu pescoço é alto e fino como uma torre. Que esquisita que a vida é! Se não fosse este peixe que saltou para fora da água para apanhar a mosca eu nunca me teria visto. As árvores, os animais e as flores viam-me e sabiam como sou bonita. Só eu é que nunca me via!

                                                     ...

        A floresta estava abandonada. A víbora contou que os animais tinham fugido para os montes à excepção dos ratos, das aranhas, das víboras, dos mosquitos e das formigas, Informou ainda que se comentava que a fada estava louca de amor pelo peixe. Oriana ficou indignada e partiu para casa do moleiro. Quando lá chegou, o lugar estava desordem total e um rato contou que essa família se tinha mudado para a cidade. Um dos filhos do moleiro tinha desaparecido e a floresta já não era considerada um local seguro. O lenhador, a mulher e o filho segundo o relato de uma formiga, desesperado com tanta miséria, também tinha partido para a cidade em busca de trabalho. O quarto do poeta estava vazio e coberto de cinza. Segundo as palavras de uma aranha o poeta, decepcionado com a ausência de Oriana tinha queimado todos os seus livros e papéis e também tinha partido para a cidade. Oriana, cheia de vergonha e de remorsos, parte então para a cidade em busca dos seus protegidos.

 

 

publicado por sonhosdesophia às 15:02
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Luís a 14 de Março de 2007 às 11:43
Gostei muito de saber que o vosso blog não "morreu" com o fim do sapo chalenge... continuem assim!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

.posts recentes

. Diz-me o que achaste...

. ...

. ...

. A Fada Oriana

. Dicas de Leitura

. Quem somos? Onde Estamos?

. O que pensam de Sophia

. Questionário a Sophia de ...

. Biografia

.arquivos

. Novembro 2007

. Junho 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Contagem

Counter Stats
garage designs
garage designs Counter
blogs SAPO

.subscrever feeds